Acesso Reservado

Entre na sua conta.

(Z1) 2019 - CM de Vila do Bispo - Um concelho a descobrir

Próximo PDM de Lagos terá de reflectir maior preocupação sobre a gestão da água

Próximo PDM de Lagos terá de reflectir maior preocupação sobre a gestão da água

As alterações climáticas e a gestão da água, na perspectiva do que deveremos fazer já e a médio prazo, foram o tema do Encontro que decorreu na Biblioteca Municipal Dr.Júlio Dantas, integrado no ciclo “Viver em Comunidade”, promovido pelo Grupo dos Amigos de Lagos, de que o “Correio de Lagos” é parceiro. 

Pela sua importância vital, a água é um tema indispensável. A tendência aponta para um consumo crescente e uma menor disponibilidade dos recursos habituais. Tanto as reservas de superfície como as subterrâneas dependem da pluviosidade, havendo um quadro climático de maior incerteza, com probabilidade de precipitações anuais bastante escassas.

Se no pequeno prazo o sistema multimunicipal tem condições de assegurar o fornecimento, num quadro mais desfavorável, advirão problemas difíceis.

“É preciso aumentar e poupar as reservas de águas superficiais e subterrâneas, diversificar as fontes de captação”. Mais tarde ou mais cedo, implicará o recurso à dessalinização. Presentemente, esse processo apresenta custos de produção por m3 equiparáveis a outras origens da água. Embora o investimento inicial seja oneroso, sem dúvida será o mais resiliente.

A pressão sobre os aquíferos já não passa desapercebida a olho nu, no tom da paisagem. “No espaço de pouco mais de uma geração, em grande parte do território, perdemos o verde para o castanho” e o problema afeta todos os ecossistemas. “As raízes das árvores não conseguem superar o abaixamento do nível freático” e nota-se dificuldade na regeneração.

O quantitativo das extrações não se revela suficientemente prudente e há água de qualidade a servir para jardinagem e golfes. Tem-se adiado o projeto de uma rede de águas recicladas aptas para todo o tipo de regas e lavagens, mas tal ideia não deveria ser afastada, assim como o aproveitamento de águas pluviais em meio urbano.

Também um maior investimento e eficiência das redes de baixa e dos dispositivos de utilização poderá contribuir para evitar as perdas de água no município, ainda tão consideráveis.

Por fim, entendeu-se que várias preocupações e exigências decorrentes das alterações climáticas deverão ser incluídas no PDM, para aplicar aos novos projetos e salvaguardar melhor as áreas ecológica e agrícola.  Relativamente à RAN, propõe-se que a agricultura intensiva com rega e dimensão se restrinja a perímetros de regadio ou sempre na base de reservas superficiais de água, públicas ou particulares, o que infelizmente não se verifica.

  • PARTILHAR   

Outros Artigos